Monthly Archives: April 2011

[Tweet Post] O Blackout da PSN

Vocês já devem estar sabendo do Blackout que está rolando na PSN, desde o dia 20 de Abril. Se não, um quick update:

A PSN está fora do ar e a Sony não dá muitas informações sobre o que aconteceu. Pronto, você agora está atualizado!

Mas, nessa excelente reportagem da Escapist Magazine, algumas luzes foram jogadas no assunto. A princípio, uma Custom Firmware, chamada Rebug, foi alterada a ponto de transformar o console num modelo “semi-dev”, como se fosse usado para desenvolvimento de jogos, ou aplicativos. Esses modelos não precisam passar pelo sistema de verificação de métodos de pagamento, como cartões de crédito ou gift cards da PSN, e após a suposta alteração, alguns usuários conseguiram quase créditos ilimitados, entrando na rede como administradores, e baixando todo e qualquer conteúdo, até a Sony perceber o que havia ocorrido.

Assim que soube disso, a área de segurança suspendeu o uso da rede para rastrear as transações ilegais, desfazê-las e banir os logins desses falsos administradores. O problema é que teriam ocorridas muitas brechas, e vários logins se tornaram adms da noite pro dia, o que dificulta a recuperação de quem invadiu e de quem não tem culpa. Logo, o tempo que será necessário para recuperar tudo ao status onde estava é indeterminado, mas rumores dentro da própria Sony dizem algo em torno de mais uma semana. Outra ação tomada pela empresa Nipônica foi re-escrever o método de entrada na PSN para evitar futuras brechas como a ocorrida neste caso, o que também consome tempo.

Embora seja bem esclarecedora, a reportagem não cita algumas das principais preocupações dos gamers hoje:

  • Houve vazamento de informações pessoais e financeiras dos usuários da PSN?
  • Houve perda de sincronia com usuários, como troféis troféus, assinaturas da PSN Plus e outros serviços?
  • Dá pra aproveitar a chance e mudar algumas coisas pra ela ser considerada uma rede de verdade???

(Ok, a última pergunta foi minha mesmo)

Qualquer novidade que surgir você pode conferir aqui e no nosso twitter @diadegamer!

[Consoles] Parem de culpar os games!

*Texto publicado  originalmente no Nerdrops. Re-publicado sob autorização.

Recentemente estive envolvido numa discussão interessante a respeito do “papel dos games” na formação das crianças e adolescente de hoje, e notei uma coisa: a mídia mais nova sempre será a culpada por “desvirtuar” a índole das crianças a qual ela está sendo mostrada.

É muito mais fácil culpar algo que se não conhece bem do que admitir que existem outros problemas que levam a determinados atos ou situações. O mais recente (e absurdo caso) é sobre o psicopata que matou crianças em Realengo, subúrbio do Rio, e que mencionou que gostava de jogar GTA. Pronto, o circo estava armado.

Matheus da Costa Meira, o “Atirador do Shopping”

Vamos aos fatos. Primeiro ponto: videogames não tornam ninguém violento. Filmes não tornam ninguém violento. Livros não… Ok, você entendeu. O que torna alguém violento é a falta de conversa, a falta de informação, e a falta do diálogo, principalmente se os interlocutores ausentes são os pais da criança (fase onde quase todo seu caráter pode ser definido). Se um maluco aparece atirando num cinema, e fala que foi influenciado por Matrix, a culpa é da esquizofrenia dele por não saber diferenciar um filme da realidade.

Se uma criança leva uma arma pro colégio e atira em alguém, os pais devem ser responsabilizados porque: 1.) Tinham uma arma desprotegida em casa, e 2.) Não ensinaram para aquela criança que uma arma é um instrumento perigoso que deve ser manuseado com cuidado por um adulto. Mas infelizmente, é muito mais fácil culpar algo genérico do que admitir que as pessoas tem problemas, e as famílias também tem problemas.

Segundo ponto: formação de valores. Uma pessoa que leva uma arma pra um local público e começa a atirar não tem respeito pela vida, e isso é falha no processo de formação dos valores dessa pessoa. Da mesma forma que alguém pode não diferenciar o certo do errado, ela também pode julgar uma situação de maneira diferente de você.

Atropelar os pedestres e diminuir o dano no seu veículo, ou jogar seu carro contra o muro e salvar as pessoas? A sua decisão vem dos seus valores, não por causa do filme que você assistiu antes de sair de casa. Seus atos são determinados por quem você é, e não pelo que você fez. Claro, algumas coisas podem dificultar seu julgamento, mas você sempre tem a escolha.

De volta ao assunto, é inevitável que você não tenha ouvido isso antes: “Videogames violentos tornam as crianças violentas”, ou “fulano agiu assim por causa de um jogo XYZ”. Todas as mídias sofreram esse tipo de pré-conceitualização até serem aceitas pelos pais, educadores e a sociedade em geral. Com games não foi diferente no início, inclusive agora se tornou mais pessoal.

Capitólio americano

O Congresso americano está prestes a votar uma lei que retira os games da classificação de “artes e entretenimento”, ao qual estão vinculados os filmes, as séries e os canais de TV, que permitem uma certa dose de liberdade criativa. Num modo mais simples, a “censura” teria direito de atuar com força total em cima dos casos de games polêmicos (como GTA, Manhunt e muitos outros), podendo suspender a venda, proibir a concepção, e até tornar crime a produção de jogos com conteúdo mais “problemático”. Caso essa lei seja aprovada, não durara muito tempo até os games retornarem ao estágio de “coisa de criança”, e talvez a indústria até encontre seu fim.

Mas calma, não há motivos para desespero porque o lado que defende os games é maior do que o aquele que ataca. Associações de consumidores e produtores entendem que tal pedido é abusivo e estão articulando a defesa da indústria de entretenimento que mais fatura no mundo. Algumas leis desse tipo já foram barradas antes, mas essa é a primeira que chega na instância mais alta dos tribunais americanos. Para maiores detalhes, assistam esse excelente vídeo do Extra Creditz falando nesse tema.

Do nosso lado, temos um papel importante a cumprir. Precisamos defender o que acreditamos ser o correto (como em caso de falsas acusações e injustiças) e criticar quando está errado (como no caso de lançamentos de jogos totalmente desnecessários e/ou apelativos). É um lado muito importante que tem sido negligenciado até hoje.

Wellignton Menezes de Oliveira, o assassino de Realengo, disse gostar de GTA.

 

É por isso que eu sou o primeiro a argumentar quando casos como o assassinato aqui no Rio (ou em qualquer outro lugar) acontecem. Não venham me dizer que “os videogames violentos estão destruíndo nossas crianças!”. Eu jogo videogames desde os 6 anos. Já joguei todos os grandes títulos polêmicos, incluindo Manhunt e GTA, e nunca tive um pensamento sequer de sair por aí atirando nos outros com a desculpa de que queria fazer igual ao jogo. Isso porque desde cedo fui ensinado sobre o que é certo e o que é errado.

Criação, educação e valores são fundamentais na formação de uma pessoa, e a falta de qualquer uma dessas virtudes é desastrosa a longo prazo. Ok, a indústria também não é santa, mas ela não tem o papel de educar, mas sim divertir.

Se você hoje joga, e gostaria de que seu filho entendesse no futuro o que é certo e errado, ensine, eduque, mostre por exemplo. E assim num futuro próximo, os games deixarão de ser esses monstros que algumas entidades pintam hoje como culpados, e passarão a ser uma parte comum das nossas vidas.

[Tweet Post] Vídeos de lançamento de Portal 2

A minha amiga Laura Buu publicou no fodástico Pink Vader 4 vídeos que a Valve produziu para acompanhar o lançamento de Portal 2. Como de costume da produtora, os vídeos tem aquele humor levemente ácido, e mostram um pouco das novidades que virão no novo jogo. São curtas que contam com a narração de J. K. Simmons, mais conhecido como J Jonah Jameson, o infame chefe do Homem Aranha nos 3 primeiros filmes.

 

Painéis totalmente customizáveis. Ou esmagadores. Você decide.

Os robôs apresentam 6 segundos a mais de confiança que os humanos.

Are you still there? Target lost… E em várias cores!

A solução para seu problema de quedas de quilômetros de altura: Botas!

 

Portal 2 sai dia 19 de Abril, e você pode acompanhar esse e outros lançamentos nessa matéria aqui!